• VENDAS PARA TODO O BRASIL
  • (33) 3516.1718
  • (33) 99949.8846
  • Espírito Santo - ES

INFORMATIVO

Integração Lavoura-Pecuária é opção para agricultor
integração entre lavoura pecuária é opção adotada por parte dos pecuaristas sul-mato-grossenses para garantir a qualidade de pastagens, reduzirem custos e minimizar a volatilidade nos resultados financeiros. No caso da Fazenda Campanário, no município de Caarapó, culturas como soja milho e a produção de bovinos para o abate estão integradas de modo que ambas são consideradas a atividade-fim da empresa. "A agricultura é para dar dinheiro e a pecuária também", define Alberto Asato, diretor da propriedade.
A propriedade, de 37 mil hectares, dos quais 6 mil ocupados por pastagens terminam todos os bois em confinamento e essa modalidade de  engorda também é favorecida pelo investimento em múltiplas culturas. Parte da produção de milho é redirecionada para a ração dos animais, o que permite à fazenda obter ganhos com a venda da safra para sua outra operação e reduzir despesas na pecuária, já que alguns custos não incidem sobre o produto em questão, como o frete.

A diretoria da fazenda considera as atividades como dois centros distintos de custos e de receitas. A diferença contábil visa a preservar o controle sobre os negócios da empresa. No entanto, As ato afirma que o fluxo de caixa é único, com os rendimentos do boi em confinamento ajudando na compra de adubos no segundo semestre, ao passo que a venda da safra de grãos contribui para minimizar o impacto da reposição dos animais.
A aposta em mais de uma atividade na fazenda é considerada pelo administrador uma estratégia para minimizar a volatilidade do clima sobre as produções. Segundo ele, a fazenda fica em região intermediária entre áreas de clima tropical e temperado, o que dificulta previsões meteorológicas e interfere no rendimento das atividades.

 
Limites
Por demandar uma gestão mais eficaz e o emprego de técnicas mais sofisticadas, a integração lava uradeve ser adotada por todos os produtores, segundo analistas. "A integração virou moda, mas, se o pecuarista não tem condições de aumentar o uso de tecnologias na fazenda, o ideal é que não o faça. Mas, se tiver interesse, é importante consultar especialistas", afirma Jairo Guido Filho, supervisor de pesquisa da Heringer.

O coordenador do Rally da Pecuária, Mauricio Nogueira, da Agroconsult, também defende que o modelo não pode ser adotado em todas as propriedades. "A integração é fantástica, mas não podemos torná-la uma solução para tudo. O Brasil é um país de muitos outros sistemas produtivos", diz.